primar

Mercado: o que esperar do ramo imobiliário em 2020

O ano começou e as tendências de mercado no setor imobiliário geram boas perspectivas. O ambiente favorável é impulsionado com os números do segundo semestre de 2019. De acordo com levantamento do Secovi Rio, sindicato das empresas de habitação do Rio de Janeiro, o terceiro trimestre do ano passado apresentou alta de 4,9% no total de imóveis negociados.

No período, 12.827 imóveis foram negociados na capital fluminense. Foram 527 a mais em comparação com o mesmo período do ano anterior, que registrou 12.231 negócios fechados. A pesquisa aponta que desses 62,7% tinham valores até R$ 300 mil. Os imóveis de alto padrão, com preços acima de R$ 951 mil, alcançaram índice de 6,9%.

A estimativa para fechamento de 2019 em valor geral de vendas e lançamentos na cidade do Rio ficou em R$ 3 bilhões, segundo os últimos dados divulgados pela Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro (Ademi-Rio).

Números do mercado nacional

Em âmbito nacional, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o ramo de construção civil apresentou no terceiro trimestre do último ano crescimento de 4,4% na comparação com o mesmo período de 2018. Este é o melhor desempenho desde o primeiro trimestre de 2014.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) indicam que este crescimento da construção civil foi impulsionado pelo setor imobiliário e pelo aumento da ocupação de 1,3%. Ainda no terceiro trimestre de 2019, a economia brasileira teve um avanço de 0,6% na comparação com os três meses anteriores.

Pesquisa indica tendência de crescimento 

Outro estudo, realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com o Grupo Zap entre o segundo e o terceiro trimestre de 2019, mostra crescimento de potenciais compradores de imóveis. Entre os participantes, subiu de 26% para 38% o índice daqueles que informaram ter a intenção em adquirir imóveis nos meses seguintes à pesquisa, que abrangem o final do ano passado e o começo de 2020.

Na opinião de 33% dos entrevistados os preços dos imóveis se manterão estáveis neste ano. Para 30% os valores devem aumentar e 15% esperam pela queda nos preços.

Nos últimos 12 meses encerrados em novembro do ano passado, 290 mil imóveis foram financiados para compra ou construção. Os dados são da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) e apontam para uma alta de 32% em relação ao período anterior.

Também nos 12 meses encerrados em novembro o preço do aluguel de imóveis residenciais, que reage mais rapidamente à melhora da economia, começou a subir. A locação acumulou alta de 5,03% com a inflação em 3,27%. A alta real no período foi de 1,7%.

Taxas

No último trimestre de 2019, a taxa Selic atingiu seu menor valor da série histórica, ficando em 5%, o que também impulsiona o setor imobiliário. A Selic, somada à inflação controlada e a pacotes de medidas de estímulos à economia, impulsiona novas taxas de juros para o crédito no setor imobiliário. Para se ter uma ideia, em 2016, os índices estavam em 11% e caíram para a partir de 6,75%.

Leia também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s